sábado, 19 de maio de 2012

forte história de exorcismo no festival de Cannes


                     Cena do filme Dupã Dealuri (Beyond The Hills), de Cristian Mungiu

Em 2007, o cineasta romeno Cristian Mungiu recebeu uma inesperada Palma de Ouro com seu segundo longa, "4 Meses, 3 Semanas e 2 Dias", uma forte história sobre aborto na rígida Romênia comunista. Mungiu volta a temas polêmicos para tentar sua segunda Palma, desta vez com uma inusitada história de exorcismo em "Dupa Dealuri" ("Além das colinas"). Suas chances são boas – o filme é o primeiro apresentado até agora a apresentar estatura para vencer.
Com Mungiu, porém, não adianta esperar algo na linha do clássico "O Exorcista" (1973). Tudo é bem mais ambíguo, nada explícito. Constrói-se com longas cenas em duas horas e meia de duração. O longa começa com a jovem Alina visitando sua amiga Voichita, que agora vive num monastério. Elas cresceram juntas num orfanato e parecem ter tido uma relação um pouco mais forte do que amizade.Alina tenta convencer Voichita a largar a vida religiosa, mas esta não cede. Para ficar ao lado da amiga, ela decide ficar também no monastério, mas não consegue se submeter às rígidas regras religiosas do local. Logo, Alina começa um conflito cada vez mais violento com o padre que comanda o monastério – e seu comportamento logo é interpretado como possessão.
"Gostaria que vissem este filme sem comparar com meu anterior. Quis tentar algo diferente desta vez", comentou Mungiu na sessão destinada à imprensa. "Ao contrário do primeiro, este não é um filme sobre amizade, mas sobre diferentes formas de amor, e o que fazemos em nome dele. Podemos abandonar nosso livre arbítrio, mas nunca a quem amamos", explicou o diretor, acrescentando depois que não gosta de falar muito sobre seus filmes.
 Por:Thiago Stivaletti 
Do UOL, em Cannes

Dica de leitura Crossed


A história segue os sobreviventes que lidam com uma praga que faz com que suas vítimas para realizar os seus pensamentos mais perversos. Portadores do vírus são conhecidos como o Cruzado, devido a uma erupção cruz que é exibido em seus rostos. Este contágio é propagada principalmente através de fluidos corporais, que a cruzada ter usado com grande efeito, tratando suas armas com seus fluidos.O surto se espalhou rapidamente, aparentemente sobrecarregar todo o Estados Unidos, e com toda a probabilidade, o mundo. A lei ea ordem rapidamente quebrou como policiais e militares foram infectados ou abandonado seus postos, Força Aérea Um foi destruído pleno vôo ea corrida infectado amok, matando, estuprando, mutilando e. Aviões foram jogados contra edifícios, usinas nucleares foram intencionalmente explodidas e as famílias e amigos massacrando uns aos outros com quaisquer tipos de armas que poderiam encontrar e  conseguir e das formas mais perversas que suas mentes podem conceber
Valores Familiares

Nos valores da família, a história gira em uma família religiosa que escapa de seu rancho de Utah para sobreviver em um composto de montanha liderada pelo pai da Addy protagonista, que, apesar de ser um líder forte contra a cruzada, é um predador sexual que rotineiramente estupradas suas filhas.


Crossed  PSICOPATA 
Chris, Darwin, Amanda e Claire estão vagando por um mundo onde os crossed estão por todo lado, juntos procuram sobreviver se escondendo e tentando encontrar seres humanos não infectados pela doença. Com isso aparece Harold Lorre um estranho preso em um buraco que diz poder ajudar os garotos mas com uma mente distorcida pelos vários anos de isolamento e com pensamentos muito perigosos aos quatro amigos.

Em Badlands, a história segue um grupo de sobreviventes do Reino Unido que viajam por toda a Escócia como o líder do grupo, Ian, relata sua introspecção sobre a finalidade da sobrevivência em que não há esperança. Ao final da terceira edição, o grupo todo é morto e / ou transformadas. Na edição # 4, os suplentes da história entre Greg e femme fatale Steve, um back bayou branco composto milícia de supremacia, e as irmãs gêmeas escondidos em uma casa de praia como o resto de sua vizinhança queima em torno deles. O tema comum entre eles é que eles chegaram a um acordo com a realidade da cruzada e são determinados em o que precisa ser feito para sobreviver.



Todas as adições  Aqui
CROSSED PSICOPATA Aqui 

As mudanças em Deadpool




Deadpool é muito amado, quase que na mesma medida em que é odiado. O personagem possui uma grande fileira de fãs e de odiadores. E os dois grupos de pessoas certamente ficaram chocados com as consequências que o personagem sofreu ao final de seu fatídico arco, que se iniciou na comemorativa 50° edição da revista.

Daniel Way, o escritor da revista, surpreendeu ao todos, no arco que se inicio na edição de número 50 da mensal do mercenário tagarela,  foi inserido em Deadpool um soro que anulava o seu fator de cura, o transformando em mortal. De carona, Wade também foi curado do cancêr, que lhe dava aquela aparência deformada. Ou seja, Deadpool não é mais feio e nem possui mais fator de cura. Mas será que uma mudança tão drástica, vai durar muito tempo? Bom,  o novo visual do personagem, já apareceu tanto na sua mensal quanto na X-Force de Rick Remender, o que pode significar sim, a mudança veio para ficar. Confira as imagens abaixo:

Fica agora a pergunta: Estaria a Marvel mudando o personagem, já pensando em umRyan Reynolds com rosto nem um pouco deformado em um possível filme? Bom, para tirar essa duvida teremos de esperar o filme, mas que Daniel Way tomou uma decisão muito ousada com o Deadpool, isso não dá para negar.
Clique para ampliar 

     
DEADPOOL #55
escrita por DANIEL WAY
desenha por SHAWN CRYSTAL
capa por DAVE JOHNSON

ANTES DE WATCHMEN





WATCHMEN é visto por muitos como HQ que todos deveriam ler. Não há como questionar a sua importância para o gênero. Quando foi anunciado que a DC Entertainment tinha planos para fazer um conjunto de prequelas sob nome ANTES DE WATCHMEN, houve muita discussão sobre isso entre os fãs. Alguns leitores são contra a idéia, enquanto outros não poderia estar mais animados. Com a inclusão de alguns dos melhores talentos da indústria trabalhando nos títulos.


O site Comicvine foram sortudos por terem a oportunidade ler cada edição número  # 1. E deram as  primeiras impressões sobre cada série. Se você teve sentimentos mistos antes, talvez isso va iajudar você a decidir sobre a 'compra' dos títulos.
MINUTEMEN
Escrita e desenhada por Darwyn Cooke. Lançamento: 6 de junho.

Bela edição. Darwyn capta o período de época e tempo de forma brilhante.

Cooke é a escolha perfeita para este título.

Edição # 1 serve como uma introdução fantástica de todos esses personagens, e é uma história de origem da equipe.
SILK SPECTRE


Escrito por Darwyn Cooke, com arte de Amanda Conner. À venda: 13 de junho.
Cooke capta muito bem a relação entre mãe e filha
Arte Conner poderia contar a história por conta própria, mesmo sem texto.
Conner oferece desenhos que dão ao leitor a visão da mente da adolescente Espectral que não se dá bem com sua mãe.
 um paralelo interessante nesta edição entre as duas Espectrais

COMEDIAN




Escrito por Brian Azzarello com arte de J.G. Jones. À venda 20 de junho.

Comediante é amigo de JFK e Jackie Kennedy, a menção de Marilyn

Tudo se passa em 1960

Uso de ícones históricos, pessoas, referências a cultura pop a cada momento.
Azzarello parece brincar com a história, integrando o Comediante nestes momentos históricos.
O uso de muitas figuras emblemáticas nessa edição deu uma sensação de forçação de barra, ligando o personagem em vários eventos emblemáticos o tempo todo r - o resultado é que a história ficou um pouco rasa.


NITE OWL





Escrito por J. Michael Straczynski com arte de Andy Kubert e Joe. À venda 27 de junho.

Parece uma história de Batman, em parte por causa da arte Kubert, e também porque a história é muito trágica.

Parece ótimo. Definitivamente uma sensação diferente dos outros títulos, mas sensação de ver apenas uma variação do Batman.


OZYMANDIAS




Escrito por Len Wein com arte de Jae Lee. À venda 4 de julho.
 A arte é absolutamente deslumbrante. Os visuais são incríveis.

Flashbacks à juventude do personagem dá o tom a esta primeira edição


RORSCHACH



Escrito por Brian Azzarello com arte de Lee Bermejo. À venda 15 de agosto..

Escuro, sombrio, destaca o decadenteuma sociedade envolvida em pornografia e dependência de drogas. 

Azzarello capta essência pura de Rorschach Moore, ou ele está simplesmente brincando com o público, tentando chocá-los, tanto quanto possível?

Temas bem adultos presente nessa HQ
A arte de Bermejo é fenomenal.


Dr. Manhattan




Escrito por J. Michael Straczynski com arte de Adam Hughes. À venda 22 de agosto.

A HQ realmente transmite uma sensação de isolamento, solidão, tristeza, algo que o personagem mostrava na série Watchmen original.

Será que me sinto tão só por causa da falta de textoO fato de que você pode dizer o que está acontecendo em cada quadrinho da revista, simplesmente olhando para as imagens de Hughes é prova suficiente de que a arte nesta edição é de tirar o fôlego.


CURSE OF THE  CRIMSON CORSAIR


Escrito por Len Wein com arte de John Higgins.
De todos essas revistas, esta história parece a mais estranha de ler. Isto, mais do que qualquer outro, sente-se muito parecido com Alan Moore e, assim, senti como uma violação das ideias de Moore mais do que a expansão do Universo Watchmen.
O CORSAIR CRIMSON é uma história back-up você pode encontrar no final do Minutemen, e a história vai passar de um assunto para outro, obrigando o leitor a sair e comprar as outras revistas para pode entender melhor, a fim de continuar a história.
Essa éa primeira impressão dada pelo Comicvine. Você está pensando em dar a cada título uma chance?

O retorno dos Guardiões da Galáxia



    
                                                


A revista mensal Avengers Assemble, escrita por Brian Michael Bendis e desenhada por Mark Bagley, foi criada para refletir um pouco o universo cinematográfico da Marvel. Por isso, traz em suas páginas uma formação dos Vingadores idêntica ao do filme da equipe e, em sua edição mais recente, apresentou o retorno de Thanos. E em agosto essa tendência continua com o retorno dos Guardiões da Galáxia.

A equipe tem um filme sendo planejado e recentemente fez sua estreia também na série animada dos Vingadores. Na capa da sexta edição de Avengers Assemble, ao lado, estão presentes o Senhor das EstrelasGamoraRocky RacumBesouro eDrax, o Destruidor. Isso não quer dizer que outros integrantes não possam dar as caras internamente.

Segundo um dos cabeças da Marvel, Tom Brevoort, a volta dos Guardiões é só mais uma peça na engrenagem da retomada do lado cósmico da editora, deixado um pouco de lado justamente após a suposta morte de Thanos e outros personagens cósmicos, que levou ainda ao desmantelamento dos Guardiões.

Os Guardiões da Galáxia originais surgiram em 1969, nas páginas da revista Marvel Super-Heroes #18. Criada por Arnold Drake e Gene Colan, trata-se de uma equipe do futuro, composta por membros de várias raças alienígenas. Tradicionais coadjuvantes dos Vingadores, tiveram grande destaque nos anos 90, com uma série mensal com 62 números, além de quatro anuais.

Em 2008 foi lançada a nova versão da equipe, desta vez com aventuras no presente, cheias de bom humor. Nesta encarnação, o grupo era composto por diversos personagens cósmicos que até então estavam um tanto esquecidos.

10 das cenas mais nojentas do cinema

O site Alternative Reel elegeu “10 das cenas mais nojentas do cinema”, A famosa e  nojenta cena de “Pink Flamingos”  e os  lançamentos de vômitos de Linda Blair em  ”O Exorcista”  são as únicas que se repetem, confira.

10. Nicolas Cage comendo uma barata viva [ Vampire´s Kiss (Um Estranho Vampiro), 1989 ]
Peter Loew (Nicolas Cage) acredita que foi mordido por uma vampira (Jennifer Beals) e, como parte de sua loucura, começa a agir como um. Seu novo comportamento assusta sua secretária (Maria Conchita Alonso), que não pode abandonar o emprego e precisa suportar as excentricidades do chefe. Peter continua recebendo a visita da vampira que bebe seu sangue, mas começa a perceber que tudo pode ser apenas alucinação. [ VIDEO ]
9. Kathy Bates aparecendo nua [ About Schmidt, (As Confissões de Schmidt) [2002]
Um filme sobre personagens com vidas comuns em situações comuns, que nos mostra, de maneira bem depressiva, a busca de Schmidt pelo famoso “sentido da vida”. Ele está se aposentando. Vive em um bairro de classe média, em mais uma dessas cidadezinhas pequenas e anônimas do interior dos Estados Unidos. Sua vida é monótona ao extremo. Ele considera seus amigos desinteressantes, mesmo amando eles. É, sobretudo, uma história de tédio, rotina e depressão.
Numa cena memorável, Kathy Bates, com seus 54 anos e talvez mais de 100kg, tira o roupão e entra completamente nua numa piscina. [ VIDEO ]
8. Devine come fezes de cachorro [ Pink Flamingos, 1972 ]
Dirigido por John Waters em 1972, Pink Flamingos entrou para a história como um ícone do cinema independente e subversivo.
Na história, um travesti chamado Divine vive com sua família bizarra em um trailer escondido da polícia, quando um casal de pervertidos invejados com o título que Divine ganhou da imprensa local de “a pessoa mais pervertida que existe”, decide eliminar a ameaça. Os personagens, vão à fundo em imundície e perversão, Crackers, o filho de Divine transa com galinhas vivas, matando as aves no ato sexual. Outro ato de escatologia ao vivo é quando Divine espera um cachorro fazer cocô, recolhe as fezes e come com prazer. Esta ode à escatologia e bizarrice vai de contraponto a tudo feito naquele momento em cinema nos EUA.
[ VIDEO ]
7. Randy Quaid usa fio dental pela primeira vez [Kingpin, 1996 ]
Por ter um dom para boliche desde criança Roy Munsen (Woody Harrelson) foi estimulado para ser um campeão. Em 1979 ele consegue ser campeão estadual em Iowa, pois era um jogador fenomenal. Mais tarde ele conhece um dono de uma pista de boliche, Ishmael Boorg (Randy Quaid), um amish que tem um incrível talento para o boliche. Munsen quer se tornar empresário de Boorg, mas este não mostra o menor interesse. Assim Roy se disfarça como um amish e se infiltra na família de Ishmael, que o reconhece logo que o vê, pois a mão de borracha que cobre o gancho o denunciaria em qualquer lugar. [ VIDEO ]
6. Ray Liotta come seu próprio cérebro [ Hannibal, 2001 ]
Sete anos se passaram desde que o Dr. Hannibal Lecter (Anthony Hopkins) escapou da prisão. O múltiplo homicida agora trabalha na biblioteca de uma família nobre de Florença e transita livremente pela Europa.
O auge do filme é o momento em que o personagem de Hopkins faz o personagem de Ray Liotta comer seu próprio cérebro. A cena não se repetiria na vida real, pois o cérebro humano vivo não tem consistência, ou seja, ao abrir a cabeça da pessoa ele se derramaria no chão, como uma gelatina. [ VIDEO ]
5. Charles Hallahan transforma-se em “Spider Head” [ The Thing, (O Enigma do Outro Mundo), 1982 ]
John Carpenter é o tipo de diretor que sempre causa controvérsia com seus filmes, senão pela temática abordada, então pelos resultados alcançados. Isso porque as opiniões sobre as produções desse cineasta conseguem oscilar entre extremos, sendo definidas por uns como clássicos e taxadas, por outros, como fracassos perfeitamente dispensáveis para qualquer expectador.
Entre as de maior destaque estão a carnificina no canil, o teste no sangue dos sobreviventes e uma cena que mostra uma espécie de cabeça-aranha andando e usando a língua como chicote.[ VIDEO ]
4. Jeff Goldblum transformando-se em “Brundlefly”[ The Fly, (A Mosca), 1986 ]
Esta é uma obra de terror assustadora, mas ao mesmo tempo extremamente cativante e romântica estrelada por Jeff Goldblum, que interpreta um cientista que acidentalmente se funde a uma mosca doméstica ao conduzir uma experiência de teletransporte. Uma jornalista (Geena Davis), que apaixonou-se por ele ao fazer a reportagem sobre suas descobertas científicas, acaba de envolvendo com uma horrenda criatura, cuja a aparência de inseto gradualmente passa a ser predominante. [ VIDEO ]
3. Edward Norton espancando em American History X [ American History, (A Outra História Americana), 1998 ]
A Outra História Americana é um profundo e movimentado drama sobre as conseqüências do racismo à medida que uma família é dividida pelo ódio. Uma análise do extremismo na América, o filme segue a luta de um homem para reformar a si próprio e salvar seu irmão após viver uma vida consumida pela violência e intolerância.
A cena em que o personagem de Norton coloca um negro com a boca no meio-fio é sem dúvida a mais polêmica e forte do cinema. [ VIDEO ]
2. Linda Blair vomita uma gosma verde [ The Exorcist, (O Exorcista), 1973 ]
Uma jovem filha de uma atriz é possuída por um demônio, e um padre especialista em exorcismo é chamado para cuidar do caso. Oscar de Melhor Roteiro Adaptado e Melhor Som. Foi também o primeiro e único filme de terror da história a ter sido indicado ao prêmio de Melhor Filme.
As cenas assustadoras em que o demônio toma o corpo da garota são conhecidas no cinema. O auge é o momento em que ela começa a contorcer-se e logo em seguida vomita uma gosma esverdeada.
1. Criatura surge do estômago de John Hurt [ ALIEN, 1979 ]
O título do filme se refere a criaturas extraterrestres (“aliens”) extremamente agressivas, mas o fio condutor da trama torna-se a saga de Ellen Ripley, (Sigourney Weaver), uma mulher humana que se descobre como a principal oponente da espécie alienígena através da série. O filme lançou a primeira grande série norte-americana com uma heroína de ação.
Em sua primeira aparição, o monstrengo mais famoso das galáxias já mostra ao que veio, para o desprazer de John Hurt, que tem seu estômago estourado pelo (ainda) pequeno alienígena, em mais uma clássica cena dos filmes de terror.[ VIDEO ]
Por cinema e fins

Crítica – Beleza Adormecida (Sleeping Beauty)


Sabe aqueles filmes com uma grande premissa, mas que não se tornam grandes filmes? Pois é, “Beleza Adormecida (Sleeping Beauty)” que estreou com atraso no circuito brasileiro neste final de semana é um ótimo exemplo. Escrito e dirigido pela estreante Julie Leigh, o longa apresenta um roteiro interessante e pretensioso, mas que vai perdendo a força com o decorrer da projeção.
A trama acompanha a vida de Lucy, uma estudante universitária que mantém até três empregos diferentes para financiar seus estudos e colocar suas dívidas em dia. E ainda divide o tempo que lhe resta para fazer companhia a um amigo problemático.
Mesmo se dedicando ao trabalho, ela não consegue pagar suas contas por causa de sua mãe (que não aparece nenhuma vez em cena. É apenas citada em uma conversa por telefone) que adora gastar o dinheiro da filha para alimentar seu vicio por bebidas alcoólicas - e por isso, Lucy resolve arriscar algo mais ousado e perigoso, ela aceita um trabalho para servir jantares da alta sociedade vestindo apenas lingerie e posteriormente assume o papel de “Bela Adormecida”, ao concordar em ser induzida ao sono para que homens ricos possam usar seu corpo (sem penetração, conforme as regras da casa) para seus fetiches particulares.
Logo nos primeiros minutos, o longa vai traçando cuidadosamente a personalidade de Lucy ao mostrar a rotina de sua protagonista, interpretada pela bela atriz australiana (contemporânea da diretora) Emily Browning, aquela mesmo, que fez a garotinha de “Desventuras em Série”, mas ficou mundialmente famosa ao estrelar o filme “Sucker Punch: Mundo Surreal”. A escolha da atriz foi importante para composição do papel. Com 23 anos (mas com uma aparência de mais nova) e com apelo sexual já mostrada no filme de Zack Snyder (onde também fazia uma prostituta) Browning torna-se a única atração do longa, já que o roteiro não consegue manter o interesse inicial e vai se perdendo aos poucos. Isso porque, a diretora/roteirista opta em focar nas cenas de nudez (que não mantém nenhuma função narrativa e que muitas vezes soam gratuitas) deixando o destino da protagonista para trás com sensação de vazio.
O filme que concorreu a Palma de Ouro em 2011 e ganhou visibilidade justamente por causa do tema e por ter sido vendido (ou concebido) com uma versão “sombria e adulta” do clássico da Disney – rótulo que só faria sentido, se a Princesa Aurora transforma-se seu sono em uma válvula de escape, para fugir de uma realidade alimentada de um desejo autodestrutivo, o que todos nós sabemos que não acontece.