quarta-feira, 25 de janeiro de 2012

Será o fim do compartilhamento de arquivos???

 http://1.bp.blogspot.com/-d0ud7uYs_S4/TxzIBiP8e1I/AAAAAAAAAhA/ySPhwiB4b9s/s640/Tutoriais+-+Como+fazer+download+%2528gratuitamente%2529+em+servidores+de+hospedagem+de+arquivos2.jpg
Após o fechamento do gigante Megaupload, as notícias que estamos vendo não são as melhores. Muito pelo contrário, tudo que fomos acostumados a fazer, pode estar por um fio.
Depois que o maior e mais conhecido site de hospedagem de arquivos fechou, todos pensavam que aquilo ali era um fato isolado – infelizmente não era. O caso do Megaupload foi somente o primeiro, depois daquele inscidente, as coisas so pioraram. Muitos outros servidores passaram a temer pelo seu fechamento também, e acabaram tomando medidas para se previnir!
E agora, vários servidores estão a cada dia piores e rumando para o mesmo e triste fim do aclamado Megaupload. Alguns ainda não foram confirmados, como é o caso do MediaFire, mas há muitas fontesDiscos Virtuais e Sites de Upload – Atualizado:

Uploaders:
Megaupload/Megavideo: Fechado por tempo indeterminado/permanentemente
Filesonic: Fechado para download publico, entretanto, usuários podem subir e baixar arquivos no seu espaço pessoal
Filejungle: Mesmo do filesonic
Filepost: Aceita arquivos normalmente, e permite o download público
FileServe: Incerto, pois o site estava muito lento, mas aparentemente é o mesmo caso do Filesonic. Usuários relatam que ele está deletando arquivos rapidamente e indiscriminadamente. Não recomendo para backups essenciais!
Bitshare: Aceita arquivos normalmente, e permite o download público (aparentemente, pois no momento do teste, o site apresentava erros na hora do upload)
DepositFiles: Aceita arquivos normalmente, e permite o download público
Bulletupload: Aceita arquivos normalmente, e permite o download público
Hotfile: Aceita arquivos normalmente, e permite o download público, porem está exigindo registro dos usuários para upload
Mediafire: Aceita arquivos normalmente, e permite o download público, porem aparentemente (não confirmado), estão deletando arquivos com possibilidade de infração de copyrights
Oron: Aceita arquivos normalmente, e permite o download público, entretanto está lento D+, não recomendo…
Baixa.la: Aceita arquivos normalmente, porem não está retornando o link de download, e não é possivel determinar se bloquearam, ou é defeito, alem de que restringe alguns tipos de arquivo
Rapidgator: Está aceitando arquivos normalmente, e permite o download público
Rapidshare (EEUU): Está aceitando arquivos normalmente, e permite o download público, porem implantou um TOS mais opressivo e exige registro agora
Rapidshare (DE): Está aceitando arquivos normalmente, e permite o download público, porem implantou um TOS mais opressivo e exige registro agora
Uploaded.to: Está aceitando arquivos normalmente, e permite o download público
Uploading.com: Está aceitando arquivos normalmente, e permite o download público
UploadStation: Mesmo caso do Filesonic
Wupload: Está aceitando arquivos normalmente, e permite o download público
4Shared.com: Aparentemente está aceitando arquivos normalmente, mas está restringindo o download publico (a confirmar), e está deletando arquivos considerados “suspeitos”.
Badongo: Está aceitando arquivos normalmente, e permite o download público
Crocko (Easyshare): Está aceitando arquivos normalmente, e permite o download público
Torrenty.org:  Poderá sumir com tudo em até 30 dias “ele esta sob investigação criminal”
Koshiko: Dizem que não irá fechar, mas não localizei nenhuma informação a respeito desse site/rede
ShienkoBOX: Mesmo caso do Koshiko (eu me questiono se esses 2 sites japoneses são reais. Se alguem souber, gentileza me atualizar)
ShareX BR (XPG): Está aceitando arquivos normalmente, e permite o download público
MirrorCreator: Está aceitando arquivos normalmente, e permite o download público, porem aparentemente ele é apenas um relayer para outros upload sites…
Filekeen/Filerio: Está aceitando arquivos normalmente, e permite o download público
iFile.it: Está aceitando arquivos normalmente, e permite o download público
Turbobit: Está aceitando arquivos normalmente, e permite o download público. O site é confuso, e parece ser um Russo mal-traduzido, mas é rapido pacas
ExtaBit: Está aceitando arquivos normalmente, e permite o download público
Ziddu: Está aceitando arquivos normalmente, e permite o download público, está com cara de ser site Chinês, e restringe alguns tipos de arquivos
Putlocker: Está aceitando arquivos normalmente, e permite o download público
FileFactory: Está aceitando arquivos normalmente, e permite o download público
2shared.com: Está aceitando arquivos normalmente, e permite o download público. O site é MUITO lento, mas funciona bem!
FreakShare: Está aceitando arquivos normalmente, e permite o download público
zShare: Está aceitando arquivos normalmente, e permite o download público
Jumbofiles: Está aceitando arquivos normalmente, e permite o download público. Exige que se clique em popups para pegar o arquivo; Horrivel!
Megashare: Está aceitando arquivos normalmente, e permite o download público
FileAPE: Está aceitando arquivos normalmente, e permite o download público
load.to: Está aceitando arquivos normalmente, e permite o download público
AOL Xdrive: Fechado/morto. Mas aparentemente já está assim há um tempo…
Dropbox: Está aceitando arquivos normalmente, e permite o download público (De forma limitada)
box.net: Mesma coisa do Dropbox (mesma categoria)
SugarSync: Mesma coisa do Dropbox (mesma categoria)
iCloud: Mesma coisa do Dropbox (mesma categoria)
Greenshare: Se existia, foi deletado até do Google
Sendspace: Está aceitando arquivos normalmente, e permite o download público
Filedropper: Está aceitando arquivos normalmente, e permite o download público
1filesharing: Está aceitando arquivos normalmente, e permite o download público
FileDEN: Está aceitando arquivos normalmente, e permite o download público, e exige registro
filehosting.org: Está aceitando arquivos normalmente, e permite o download público, entretanto exige um e-mail para envio dos links
Wikiupload: Mesmo caso do FileDEN
MDN.fm: Fora do ar
Filesavr: Está aceitando arquivos normalmente, e permite o download público, aparentemente, pois não existe botão para upload. Não sabemos se retirou ou é erro
Upload-this: Fora do ar
FileShaker: Fora do ar
ADrive: Mesmo caso do FileDEN
Bayfiles: Está aceitando arquivos normalmente, e permite o download público
MSN/Microsoft SkyDrive: Está aceitando arquivos normalmente, e permite o download público
CloudAPP: Funciona da mesma forma que o DropBOX
SpiderOAK: Está aceitando arquivos normalmente, e permite o download público
Sharex (BR): Grupo UOL / BOL / iG dizem que não irão aderir ao SOPA/PIPA.
Agregadores de video online:
videobb.com: Está aceitando arquivos normalmente, e permite o download público
Videozer: Está aceitando arquivos normalmente, e permite o download público (boatos diziam que o programa de afiliados morreu, mas aparentemente ele ainda continua ativo)
iShare: Desconhecido
Vimeo: Está aceitando arquivos normalmente, e permite o download público
Youtube: Está aceitando arquivos normalmente, e permite o download público:

Japão, China e Korea deram um “NÃO” ao FBI e afirmam que mesmo que as leis sejam aprovadas nos USA, não terão valor algum dentro da soberania de seus paises!
A Europa já arregou, não falou nada e já entregou os hosters de toda zona do euro na bandeija de prata pro FBI podar cabeças a vontade.
Qual será o destino do Mundo dos Downloads?
Estamos todos vendo o Mundo dos Downloads se sumindo aos poucos, um dia de cada vez. O que nós, Uploades e você, Visitantes mais temem, esta perto.
Não podemos afirmar nada, o que podemos fazer é esperar, e rezar, para que isto não passe de apenas meras lembranças ruins, e que aquilo que um dia chamávamos de compartilhamento, não passe a ser considerado um crime.

terça-feira, 24 de janeiro de 2012

Guerra Virtual Continua!! | mais Sites e ataques em vista-aguerra continua

Guerra Virtual Continua!! | O Site do FBI é tirado do ar!

O Anonymous anunciou no Twitter que o site do FBI e o site da gravadora EMI foram derrubados. A primeira guerra virtual, como muitos internautas estão se referindo à situação, atravessou o oceano e o site do orgão francês que controla os direitos autorais, o HADOPI, também foi atacado. É guerra!



Além de atacar diretamente sites dos governos e empresas que apoiam o fim do Megaupload, o Anonymous adotou um novo método para protestar contra o fechamento do serviço. Através do Twitter, redes sociais e até mesmo sites de humor, o grupo hacker passou a divulgar links para download de todo o conteúdo produzido pela Sony.
Os endereços apontam para arquivos de torrent ofertados em sites variados, privilegiando músicas lançadas pela empresa nos últimos dez anos. Alguns filmes produzidos a partir do ano 2000 também foram ofertados de maneira gratuita e ilegal pelos hackers.
Todos os links divulgados são acompanhados de mensagens afirmando que, apesar da queda do Megaupload, existem muitas outras formas das pessoas baixarem conteúdos protegidos por copyright.

O grupo hacker Anonymous afirmou na noite de quinta-feira (19) por meio de seus perfis no Twitter que derrubou o site do FBI, a polícia federal dos Estados Unidos. Às 23h50, o endereço "www.fbi.gov" estava inacessível. O site ficou fora do ar por cerca de 1 hora. O governo americano não afirmou se foi uma falha nos servidores ou se realmente houve um ataque.
Nesta quinta, o Anonymous também disse ter sido responsável pela saída do ar dos sites do Departamento de Justiça dos Estados Unidos, da Universal Music, da Associação de Filmes dos EUA e da Associação da Indústria Fonográfica do país, dentre outros endereços.
No Twitter, o grupo diz "a internet contra-ataca", e que a luta é pela “liberdade da internet”. Em uma das mensagens, o Anonymous também ameaçou um ataque contra o site da Casa Branca.
O Megaupload, um dos maiores sites de compartilhamento de arquivos do mundo, foi tirado do ar na quinta-feira (19). O fundador da companhia e vários de seus executivos foram acusados formalmente de violar leis antipirataria nos Estados Unidos, informaram promotores federais do país. A acusação alega que o site deu aos detentores de direitos autorais mais que US$ 500 milhões em prejuízo por facilitar a pirataria de filmes e outros tipos de conteúdo.
g1 - tecmundo

domingo, 22 de janeiro de 2012

LEI SOPA PERDENDO FORÇA-e a guerra continua


 
Um dia depois que Wikipedia, Google, Yahoo!, Facebook e outras empresas se uniram em um protesto contra a lei antipirataria dos Estados Unidos, pelo menos 18 legisladores do país abandonaram nesta quinta-feira o projeto de lei de regulação da internet, informou a imprensa.

De acordo com a publicação digital “Ars Technica”, até agora pelo menos 18 senadores, em sua maioria republicanos e alguns deles promovedores do projeto de lei conhecido como SOPA, se afastaram da iniciativa que na quarta causou um “blecaute” na internet.

O canal “MSNBC” informou que o senador Roy Blunt, republicano do Missouri, retirou seu apoio seguindo os passos do também republicano Marco Rubio, da Flórida.

O projeto de lei tem o apoio da indústria do cinema e da música, com o argumento de que se busca uma proteção dos direitos autorais e de propriedade intelectual. Estas indústrias querem que o Google e outros serviços de internet bloqueiem os sites onde são distribuídos filmes, músicas e outros bens pirateados.

As empresas da internet sustentam que a legislação promove a censura, altera a operacionalidade da internet e prejudica sua capacidade para a inovação.

O governo do presidente Barack Obama expressou na semana passada sua oposição a qualquer legislação que imponha censuras à internet.

O fato de a maioria dos legisladores que retiraram o apoio à iniciativa serem republicanos surpreendeu bastante, já que os assuntos relacionados aos direitos autorais, tradicionalmente, são considerados um assunto livre de partidarismos.

Antes do protesto virtual desta quarta, a iniciativa tinha 16 apoiadores republicanos e 23 democratas. Até esta manhã já perdeu pelo menos um quarto do respaldo republicano, enquanto apenas um democrata, Ben Cardin, de Maryland, retirou seu apoio. 

sexta-feira, 20 de janeiro de 2012

AS MELHORES COSPLAYERS ESPECIAL GAMES -SEM PALAVRAS-

Nesta edição trazemos até você as grandes musas dos games em cosplayers de tirar o fôlego de qualquer um!! Divirta-se:

Fighter
fighter cosplay



1942 Cammy


Don’t Be Afraid – MGS3 EVA
mgs3 eva cosplay


Poison from Final Fight


Cyborg Ninja


Sweet Raiden – Metal Gear Solid 4


Selvaria – Valkyria Chronicles

Seras Victoria – Hellsing


Black Widow III


Laughing Octopus


Lithium Flower – GITS


Felicia – Darkstalkers


The Azure Witch II


Black Rock Shooter

MegaUpload: Anonymous desencadeiam "o maior ataque de sempre" faça parte da resistencia

http://thesantosrepublic.com/multimedia/photogallery/2011/09/AnonymousRevolutions.jpg

O encerramento do site de partilhamento MegaUpload não ficou sem resposta. Desencadeou a maior resposta de sempre, diz o grupo Anonymous: mais de 5600 pessoas estão nesta noite de quinta-feira envolvidos num ataque em grande escala a sites de entidades governamentais americanas e da indústria da música e do cinema.

Os primeiros alvos foram o próprio Departamento de Justiça norte-americano, bem como a RIAA e a MPAA, associações representativas das indústrias da música e do cinema, respectivamente. Justice.gov, riaa.com e mpaa.org são três dos sites que estavam, intermitentemente, em baixo, por volta da meia-noite, tendo o grupo Anonymous reclamado a autoria dessas falhas através da conta no Twitter @YourAnonNews.

Por volta da 1h, também o site do FBI, responsável pela operação que levou ao encerramento do MegaUpload, estava inacessível.

Segundo a conta de Twitter, trata-se de uma resposta "à altura" do grande golpe que o FBI norte-americano deu nesta quarta nos muitos utilizadores do site MegaUpload, extremamente popular em todo o mundo, e que permitia a partilha de todo o tipo de ficheiros. É mesmo "o maior ataque de sempre", com o envolvimento de mais de 5600 pessoas.

"Tragam pipocas, vai ser uma noite longa de 'lulz'", escreveu o grupo no Twitter, quando eram 23 horas, e usando uma expressão que é na Internet sinónima de "riso" e que foi em tempos adoptada pelo grupo de atacantes informáticos Lulzsec.

"O Governo fecha o MegaUpload? Quinze minutos depois #Anonymous encerra sites governamentais e da indústria. Aguardem por nós", afirmou o grupo, em claro tom de retaliação, pouco tempo depois de ter sido noticiado o encerramento daquele popular site de partilha de ficheiros.

Os Anonymous não são um grupo estruturado. Há um núcleo central de pessoas que normalmente incentiva os ataques, aos quais qualquer cibernauta se pode juntar, passando então a ser designado como Anonymous. Os vários ataques na história do movimento não são levados a cabo sempre pelas mesmas pessoas e o número de participantes varia.

Para tomar parte numa destas acções, basta usar um programa de computador que permite bombardear um site com múltiplos pedidos de acesso. Na sequência disso, o site torna-se lento a responder e pode ficar inacessível. Chamam-se ataques distribuídos de negação de serviço, são tão mais eficazes quanto mais pessoas participarem e não implicam perda ou roubo de dados.

O Departamento de Justiça dos EUA confirmou o problema, cerca de meia-noite, também através do Twitter: "O servidor do DOJ que aloja o justice.gov está a ter um aumento significativo de actividade, resultando numa degradação do serviço. O departamento está a trabalhar para que o site esteja disponível, enquanto investigamos as origens desta actividade, que está a ser tratada como um acto malicioso até que possamos identificar a identidade da causa da perturbação".

O FBI fechou na quarta-feira o MegaUpload e deteve quatro suspeitos de infrações relacionadas com direitos de autor e lavagem de dinheiro. De acordo com uma nota emitida pelo Departamento de Justiça dos EUA, o MegaUpload gerou de forma criminosa mais de 175 milhões de dólares (135 milhões de euros), “causando mais de 500 milhões em prejuízos para os detentores de direitos de autor”.

Os quatro suspeitos foram detidos na Nova Zelândia e o FBI suspeita ainda do envolvimento de três outras pessoas. A resposta, porém, não se fez esperar.

Estas movimentações acontecem numa altura em que nos Estados Unidos se discute a adopção de medidas legais para reforçar a protecção dos direitos de autor.

O encerramento do MegaUpload também sucede um dia após o "apagão" que muitos sites de referência, como a Wikipedia em inglês, por exemplo, puseram em marcha, em protesto contra as propostas legislativas que estavam em cima da mesa no Senado e na Câmara dos Representantes – o Protect IP Act (PIPA) e o Stop Online Piracy Act (SOPA), respectivamente.Nos acontecimentos desta noite, o grupo Anonymous não deixou passar em claro essa disputa entre quem pretende apertar as regras através do SOPA e do PIPA e quem considera que essas propostas legislativas iriam muito para além da protecção dos direitos de autor.

"MegaUpload foi apanhado sem o SOPA estar em vigor. Agora imaginem o que aconteceria se a lei passar. A Internet, tal como a conhecemos, acabará. Reajam!", vincou o grupo, acrescentando: "Não se pode censurar a Internet, não se pode intimar uma hashtag, não se pode deter uma ideia. Mas podem aguardar por nós."

Nos Estados Unidos, este dia 19 de Janeiro é Dia Nacional da Pipoca. Com uma nota de humor, o grupo assinala que ainda bem que assim é, porque "'A Internet contra-ataca' vai passar toda a noite".

A Cyber Guerra Começou - Sites e Ferramenta de Downloads começam a ser fechados nos EUA ( atualização constante )


http://images.br.sftcdn.net/br/scrn/118000/118873/megaupload-3.jpg.”

Segundo o FBI, sete pessoas são acusadas de operarem o Megaupload e sites relacionados, sendo que quatro delas foram presas. O detalhamento da ação inclui na acusação lavagem de dinheiro e infrações graves de direitos autorais. A pena máxima pelos crimes é de 20 anos.

Em entrevista ao “New York Times”, Ira P. Rothken, advogado do Megaupload, afirmou que ainda não viu o processo. Ainda assim afirmou: "Obviamente temos preocupações sobre a legalidade desse procedimento. A ação foi tomada sem a realização de uma audiência".
De acordo ainda com o jornal americano, alguns minutos antes de o site sair do ar, o Megaupload publicou um comunicado informando que não há só conteúdo que viola direitos autorais no serviço. “O fato é que a maioria do tráfego gerado pelo Megaupload é legítimo e nós estamos aqui para ficar. Se a indústria de entretenimento quiser tirar vantagem de nossa popularidade, nós estamos dispostos a iniciar um diálogo. Nós temo algumas boas idéias. Por favor, vamos manter contato.”
'Indústria do crime'
A “indústria do crime”, como cita o órgão americano, é chefiada por Kim Dotcom, fundador do Megaupload, que mantém residência na Nova Zelândia e em Hong Kong, sede do site de compartilhamento.
“Por mais de cinco anos, o site operou de forma ilegal reproduzindo e distribuindo cópias de trabalhos protegidos por direitos autorais, incluindo filmes – disponíveis no site antes do lançamento –, músicas, programas de TV, livros eletrônicos e softwares da área de negócios e entretenimento”, diz o órgão.
O site Megaupload tem mais de 150 milhões usuários registrados, 50 milhões de visitantes diários e soma 4% de todo tráfego da internet mundial.
De acordo com o FBI, o modelo de negócios do site de compartilhamento de arquivos promovia o upload de cópias ilegais. Tanto é que o usuário era recompensado pelo site quando incluía arquivos que eram baixados muitas vezes. Além disso, o Megaupload pagava usuários para criação de sites com links que levavam para o serviço.
Conforme alegado no processo, os administradores do site não colaboraram na remoção de contas que infringiam direitos autorais, quando solicitados pelas autoridades. Para citar o “descaso” da empresa, o FBI comenta que quando solicitado, o site ia lá e removia apenas uma cópia, deixando disponível outras milhares de cópias do arquivo pirateado.
Vídeo controverso de apoio
Em dezembro, em função de um processo da gravadora Universal contra o Megaupload, o site lançou um vídeo em que vários artistas americanos – também vítimas de cópias ilegais distribuídas no serviço – apoiam o que a página faz. Em um dos trechos, Will.i.am, do grupo Black Eyed Peas, diz: “Quando eu quero enviar alguns arquivos pelo mundo, eu uso o Megaupload."
Artistas como o ator Jamie Foxx, a jogadora de tênis Serena Willians e o rapper americano Kanye West aparecem no vídeo apoiando o site dizendo que “gostam do Megaupload”.
Alguns dias após o lançamento do vídeo, o cantor Will.i.am informou que ele não havia autorizado o uso da sua imagem na campanha. O vídeo chegou a ser removido do YouTube, mas há várias cópias dele disponíveis no site.

Projeto de lei antipirataria
O site foi fechado um dia depois que diversas páginas nos Estados Unidos protestaram contra dois projetos de lei parecidos, chamados Pipa (do inglês, lei para proteger a propriedade intelectual) e Sopa (do inglês, lei para impedir a pirataria online). A Wikipedia ficou fora do ar por 24 horas na quarta (18), enquanto diversos outros endereços exibiram imagens de protesto contra as duas propostas.

Embora tenham recebido o apoio da indústria cinematográfica de Hollywood e da indústria musical, o projeto Sopa enfrenta a oposição de associações que defendem a livre expressão, com o argumento de que essa lei permitirá ao governo americano fechar sites, inclusive no exterior, sem necessidade de levar a questão à Justiça.

Debatido no Congresso, o Sopa permitiria ao Departamento de Justiça dos EUA investigar e desconectar qualquer pessoa ou empresa que possa ser acusada de publicar material com direitos de propriedade intelectual dentro e fora do país – caso do Megaupload.


Update 1: No início da noite, hackers do grupo Anonymous anunciaram, por meio do Twitter, uma retaliação aos responsáveis pela queda. Eles atacaram e derrubaram os sites da Universal Music (que acusa o Megaupload de pirataria) e do Departamento de Justiça dos Estados Unidos

Update 2: Sites da RIAA (Record Industry Association of America) e a MPAA (Motion Picture Association of America) também se foram.

Update 3: Agora é o US Copyright Office, que caiu.

Os Anonymous afirmam, via Twitter, que este já é o maior ataque deles, e parecem empolgados com a continuidade da ação. Já avisaram para o público pegar um pacote de pipoca e "varar" a noite com eles. Aguardemos.

Update 4 (22h00): "The Internet Strikes Back" é Trending Topic mundial. "Megaupload" também, com 1800 tweets por segundo (de acordo com o grupo).

Update 5 (22h22): Os Anonymous afirmam ter trazido o Megaupload de volta no ar, no endereço www.megavideo.bz. Parece que o site está sofrendo com excesso de conexões...

Update 6 (22h26): Warner Music Group down.

Update 7 (22h36): Release divulgado pelo FBI sobre o fechamento do Megaupload >> aqui

Em represália a ação contra Megaupload, hackers atacam site do Governo dos EUA

 Em represália a ação contra Megaupload, hackers atacam site do Governo dos EUA


Após a divulgação de uma ação que tirou do ar o site Megaupload, os hackers do grupo Anonymous informaram ataque aos sites do Departamento de Justiça dos Estados Unidos e ao da Universal Music (uma das empresas que acusa o Megaupload de pirataria). O anúncio foi feito pelo perfil Anonops no Twitter nesta quinta-feira (19). Alguns minutos após divulgar a informação, os dois sites apresentaram instabilidade no acesso.
“Justice.gov e universalmusic.com tangodown [código usado por hackers indicando que eles derrubaram um site]! Vocês deveriam esperar por nós”, diz um dos tuítes do perfil Anonops.

O tipo de ataque supostamente dirigido aos dois sites é conhecido como negação de serviço. Ele, basicamente, consiste no fato de vários computadores ao mesmo tempo tentarem enviar solicitações a um site, de modo que ele fique instável. Dependendo da carga de acessos simultâneos, a página fica fora do ar.
Algum tempo após o anúncio do ataque aos dois sites, o grupo hacker informou ainda que iria derrubar o site da Riaa, associação das gravadoras dos Estados Unidos, e da Mpaa, associação dos estúdios do país - na noite de quinta, os endereços ficaram indisponíveis. Ambas as instituições são protetoras da propriedade intelectual e fazem oposição ferrenha a sites de compartilhamento que, segundo eles, falsificam e distribuem o conteúdo deles. Também está na mira dos hackers o site da Casa Branca.
Em comunicado, o grupo Anonymous afirmou: “A ação contra o Megaupload mostrou que não é necessária uma lei como a Sopa ou sua irmã, a Pipa, para tirar um site do ar.” Os dois projetos de lei, parecidos, visam proteger a propriedade intelectual e impedir a pirataria online. Nesta quarta (18), diversas páginas dos EUA protestaram contra as propostas, ficando fora do ar ou exibindo mensagens em suas páginas iniciais.


Governo dos EUA fecha Megaupload e prende seu fundador-declarada a guerra


Site é um dos maiores que possibilitam compartilhamento de arquivos.
Prisão acontece um dia depois de protestos contra o SOPA e o PIPA.


Trecho do vídeo institucional do Megaupload (Foto: Reprodução)Trecho do vídeo institucional do Megaupload, que
trazia estrela da música dizendo que "usavam" o
site (Foto: Reprodução)
Um dos maiores sites de compartilhamento de arquivos do mundo, o Megaupload, foi tirado do ar nesta quinta-feira (19). O fundador da companhia e vários de seus executivos foram acusados formalmente de violar leis antipirataria nos Estados Unidos, informaram promotores federais do país.
A acusação alega que o Megaupload.com deu aos detentores de direitos autorais mais que US$ 500 milhões em prejuízo por facilitar a pirataria de filmes e outros tipos de conteúdo.
O Departamento de Justiça dos Estados Unidos disse, em um comunicado, que Kim Dotcom --fundador do site, também conhecido como Kim Schmitz—e outros três executivos da empresa foram presos nesta quinta-feira na Nova Zelândia a pedido de oficiais norte-americanos.

“A maioria do tráfego de dados feito pelo Megaupload é legítimo e estamos aqui para ficar. Se a indústria de conteúdo quiser tirar vantagem da nossa popularidade, estamos felizes em abrir um diálogo. Temos boas ideias, entrem em contato”, dizia o comunicado.
A companhia, baseada em Hong Kong, listava Swizz Beatz, um músico, como seu CEO. Antes de o site ser tirado do ar, foi publicado um comunicado dizendo que as acusações de que ele possibilitava infração de leis de direitos autorais eram “extremamente exageradas”.
O Megaupload é um site por meio do qual os usuários podem fazer o upload e a transferência de arquivos que são grandes demais para serem enviados por e-mail. Endereços do tipo têm uso legítimo de diversos usuários, mas associações representantes dos detentores dos direitos autorais estimam que a maioria do conteúdo enviado com a ajuda do site seja ilegal.
SOPA e PIPA
O fato acontece um dia depois que diversos sites, incluindo a Wikipédia e a Craigslist, tiraram seus sites do ar em protesto com o SOPA e o PIPA, dois projetos de lei antipirataria que circulam nos Estados Unidos.
O Stop Online Piracy Act (SOPA) é um projeto de lei com regras mais rígidas contra a pirataria digital nos EUA. Ele prevê o bloqueio no país, por meio de sites de busca, por exemplo, a determinado site acusado de infringir direitos autorais. O foco está principalmente em sites estrangeiros, contra os quais as empresas americanas pouco podem agir. No Senado, circula o Protect IP Act, conhecido como PIPA (ato para proteção da propriedade intelectual), outro projeto sobre direitos autorais que mira a internet.
Ambos são apoiados por empresas de entretenimento, constantes alvos de pirataria, mas são questionados por companhias de internet, como Google, Facebook, Amazon e Twitter, que interpretam as medidas como um tipo de censura aos sites e à liberdade de expressão. O SOPA ainda está sendo avaliado por comissão na Câmara; a PIPA deve ir à votação no Senado ainda neste mês
.

quinta-feira, 19 de janeiro de 2012

o fim da internet livre-Blecautes, em protesto contra SOPA e PIPA, tomam conta da internet


Vários gigantes da internet aderirão ao protesto contra as leis americanas que prometem censurar a internet na qual estamos acostumados, essas leis foram chamadas de SOPA e  PIPA. O maior buscador do mundo lançou uma nota de protesto em sua página inicial (mostrado acima) ao congresso americano pedindo para não censurarem a internet. O Google também substituiu os famosos doodles por uma simples tarja preta para ilustrar a possível censura.
Além disso, da mensagem na página: “Diga ao congresso: por favor, não censure a web!”, o buscador desenvolveu uma página especial batizada de “Take Action” (tome uma ação ou uma atitude) onde mostra aos usuários o que é as leis SOPA e PIPA e também o perigo que elas oferecem para a internet. O Google diz em sua página que “Membros do governo estão fazendo o certo em procurar os piratas e falsificadores, mas as leis SOPA e PIPA não são a forma correta para se fazer isso”.
Blecautes, em protesto contra SOPA e PIPA tomam conta da internet
"Congresso você pode nos ouvir?", diz Google (Foto: Reprodução)
O governo dos EUA poderia tomar uma atitude semelhante a que se tem na China e bloquearsomente os sites de material pirata.  ”Os motores de busca poderiam apagar sites inteiros de suas buscas”, diz Google oferecendo uma outra alternativa as leis. Para cumprir a lei como deverá ser feita, empresas e provedores de internet dos EUA deveriam monitorar tudo que os seus usuários enviam e recebem sob um risco de uma demorada fila de espera (sabe quantas pessoas utilizam a internet por dia?). É devido a este motivo que empresas como AOL, eBay, Facebook, Google, LinkedIn, Mozilla, Twitter, Yahoo e Zynga enviaram notas ao Congresso onde falam que  estas leis “representam um sério risco na nossa indústria e poderia afetar a inovação contínua e a criação de empregos.”

Blecautes, em protesto contra SOPA e PIPA tomam conta da internet
Reddit adere ao movimento e no blacaute anti-SOPA (Foto: Reprodução)
O Google ainda diz que os modelos das duas leis não irão funcionar, isso acontecerá porque os falsificadores são espertos o bastante para criar endereços e sites anônimos e diferentes a todo momento para publicarem o material ilegal. “As leis SOPA e PIPA não irão desligar os sites piratas e sim farão que eles “mudem de endereço” para continuar com suas atividades criminosas, enquanto as empresas legais sofrerão inúmeras perdas por violações que não será possível controlar.”
Em resposta aos blecautes, o MPAA - entidade que reúne os grandes estúdios de cinema – diz que não gostou nem um pouco das atitudes dos “gigantes da tecnologia” e disse também que isso é abuso de poder. A resposta do ex-senador Chris Dodd e do MPAA você confere abaixo:
Esta é uma resposta irresponsável e um desserviço às pessoas que dependem deles para informação e que usam seus serviços. Isto é também um abuso de poder, dadas as liberdades que essas empresas têm no mercado hoje. É uma mudança perigosa e preocupante quando as plataformas que servem de entrada para a informação intencionalmente distorcem os fatos para incitar os usuários, com o objetivo de promover seus interesses corporativos.
Além do Google, sites como Wikipédia, Reddit, WordPress, Huffington Post e o blog Boing Boing aderiram ao blacaute contra SOPA / PIPA, as fotos você confere abaixo. [Google DiscoveryGizmodo]
Wikipédia SOPA
Blecautes, em protesto contra SOPA e PIPA tomam conta da internet
Blecautes, em protesto contra SOPA e PIPA tomam conta da internet
Blecautes, em protesto contra SOPA e PIPA tomam conta da internet
Blecautes, em protesto contra SOPA e PIPA tomam conta da internet